Onde e quando nós morremos

Onde e quando nós morremos

de:
R$32,00

por:
R$ 27,20

Descrição

É hora do jantar e o descendente de imigrantes Karim invade o apartamento de um casal de meia-idade em um ótimo bairro parisiense. Ao ser pego em flagrante e tentar escapar sem sucesso, ele se vê refém de Marie, Victor e seu avô, o general, um velho militar que não fala por ter perdido a laringe e que precisa ir ao banheiro com a ajuda

do neto, sempre pronto a limpá-lo depois que faz suas necessidades. Rapidamente, Karim se converte em um centro de gravidade sobre o qual são depositados o racismo e a hipocrisia de uma classe média pequeno burguesa politicamente correta e pronta a colapsar.

 

Sobre o autor

Riad Gahmi (1980) é ator e dramaturgo. Formou-se pela École de la Comédie de Saint-Étienne em 2006. Entre 2014 e 2016, tornou-se artista associado à Comédie

de Saint-Étienne, com quem produziu Gonzoo/Pornodrame. Esse texto foi vertido para o inglês por Katherine Mendelsohn com o apoio da Chartreuse de Villeneuve

lez Avignon – Centre National des Écritures de Spetacle e do Théâtre National Populaire de Villeurbanne. Em 2016, escreveu Du sang aux lèvres, encenado por Mathias Moritz e pela companhia Dinoponera, da qual faz parte. No mesmo ano lançou também Les trois singes por ocasião do projeto “Et maintenant?”, da Comédie de Saint-Étienne. Atual-

mente, Riad Gahmi trabalha paralelamente com o diretor Kheireddine Lardjam e com a dupla Yann Métivier e Thomas Gonzales. Desde 2015, é membro do coletivo Traverse, com quem escreveu a última peça do coletivo Os’o. Onde e quando nós morremos foi selecionada para participar do Desvoix Festival, em San Francisco, tendo sido traduzida para o inglês e o russo.

 

Sobre o tradutor

O Grupo Carmin foi fundado pelas atrizes Quitéria Kelly e Titina Medeiros no ano de 2007, em Natal, Rio Grande do Norte, a partir da montagem da peça Pobres de Marré, escrita e dirigida por Henrique Fontes. Após bem-sucedida circulação do espetáculo, em 2010 o grupo iniciou sua pesquisa acerca do Teatro Documental e, em 2013, estreou sua primeira obra do gênero, Jacy, escrita por Pablo Capistrano, Iracema Macedo e Henrique Fontes e dirigida por este último. Daí em diante, o grupo consolida sua pesquisa em Teatro Documental e, em 2015, estreia Por que Paris?,

peça criada a partir da vida e obra de Marguerite Duras, escrita por Henrique Fontes, Pablo Capistrano e Ed Bailey e dirigida por Henrique Fontes. Em 2016, Jacy foi selecionada para participar do Palco Giratório do SESC, circulando por 18 estados do

Brasil. Em 2017 o grupo estreou A invenção do Nordeste, escrita por Henrique Fontes e Pablo Capistrano e dirigida por Quitéria Kelly. Desde então o Grupo Carmin é formado por Quitéria Kelly, Henrique Fontes, Pedro Fiuza, Pablo Capistrano, Daniel Torres, Mariana Hardi, Robson Medeiros e Mateus Cardoso.